Míldio, o vilão das chuvas

Míldio, o vilão das chuvas

Ao avaliarem os problemas enfrentados após o período chuvoso, um ponto era unanimidade entre os 300 participantes do12º Debate da Viticultura: a preocupação com a incidência do míldio. Não é pra menos. O míldio é a principal doença da videira no Brasil e causa sérios prejuízos à viticultura em áreas com alta precipitação, principalmente no final da primavera e no verão. Os maiores danos diretos são a destruição parcial ou total dos frutos, podendo também produzir efeitos negativos sobre a futura produção, quando provoca a desfolha e, consequentemente, o enfraquecimento da planta.

 

Entre os principais sintomas é possível identificar o comprometimento das partes verdes e em desenvolvimento da videira como folhas, brotos, galhos, cachos. Nas folhas aparecem os primeiros indícios com manchas que se assemelham a uma mancha de óleo. Sequência ocorre na área afetada uma eflorescência branca e brilhante que posteriormente dessecam e caem. A queda antecipada das folhas priva a planta de seu órgão de nutrição, interrompendo o desenvolvimento dos cachos e dos sarmentos.

 

Todas as partes do cacho também podem ser afetadas pela doença. A infecção nas inflorescências provoca a deformação, deixando-as com aspecto de gancho. Na floração, o fungo provoca o escurecimento e destruição das flores afetadas, sintomas muito semelhantes aos ocasionados pela antracnose. Os ataques na inflorescência e nos cachos são os mais danosos, pois atingem diretamente o produto final podendo comprometer totalmente a produção.

 

Segundo o artigo publicado pelos pesquisadores Lucas da R. Garrido e Olavo Roberto Sônego, da Embrapa Uva e Vinho, as bagas de uva deixam de ser sensíveis ao fungo quando alcançam mais da metade de seu desenvolvimento, pois nesta fase os estômatos deixam de ser funcionais.

 

Controle: Os métodos mais modernos de controle utilizam sistemas de previsão. Estes sistemas baseiam-se na biologia do fungo, nas condições climáticas e no estádio fenológico da videira. Estes sistemas não só determinam a época ideal de controle mas também estabelece o número e a freqüência de pulverizações.

 

“Uma das razões da necessidade do uso de fungicidas para o controle do míldio é a capacidade do fungo em causar grandes danos num curto espaço de tempo, tornando os fungicidas o mais importante meio de controle da doença. O sucesso do controle químico depende da escolha e da dose do produto, do momento e do método da aplicação, do conhecimento do fungo e da qualidade da aplicação”, relataram os pesquisadores.

Publicações relacionadas

Produtores satisfeitos, sucesso consolidado

Ao final do 12º Debate da Viticultura fomos ouvir a opinião dos participantes que de forma unânime aprovaram o evento. Leiam abaixo os depoimentos.  Álvaro Solano, produtor e integrante da Copex Vale – cooperativa que agrega em torno de 28 produtores do Vale do São Francisco: “Eu participo de...

Leia mais

Marcas parceiras compartilham com a Agropodas o compromisso com viticultor

Além das informações precisas fornecida pelos consultores Newton Matsumoto, Jackson Lopes e Augusto Prado, os representantes das marcas parceiras do evento também apresentaram informações preciosas aos quase 300 participantes do 12º Debate da Viticultura. Basf, Timac Agro, UPL OpenAg, AMVAC do Brasil, Global Crops, Ihara, Yara, Biomulti, Biovalens, Ubyfol...

Leia mais